R. 10

O que está por trás da prisão de Ronaldinho Gaúcho?

Segundo ministério público paraguaio, há um amplo esquema de falsificação e lavagem de dinheiro

15/03/2020 11h15
Por: Fabrício Vieira
Fonte: Terra

Quarta-feira, 4 de março, 9h15 da manhã, o cidadão brasileiro naturalizado paraguaio Ronaldo de Assis Moreira apresenta às autoridades de controle migratório do Aeroporto Silvio Pettirossi, em Luque, no Paraguai, o passaporte n° Q568928. Às 9h18, o também cidadão brasileiro naturalizado paraguaio Roberto de Assis Moreira entrega o passaporte Q569753 aos fiscais.

Ronaldo é Ronaldinho Gaúcho, enquanto Roberto é Assis, irmão do ex-jogador. Ambos tiveram a entrada no país liberada em questão de poucos segundos, mas não passaram despercebidos para um grupo de promotores do Ministério Público. Afinal, momentos depois foi descoberto que o passaporte Q568928 havia sido emitido cerca de dois meses antes em nome de María Isabel Gayoso, e não de Ronaldinho. Já o documento Q569753 era da senhora Esperanza Apolonia Caballero Coronil, mas estava com o nome de Assis. Ou seja, eram passaportes fraudulentos (originais, mas com conteúdo falso).

Outra parte desse grupo de criminosos é escalada para cooptar cidadãos paraguaios. Cabe a essas pessoas solicitar passaportes legais nos órgãos oficiais. Após a emissão, os documentos, então, são levados para funcionários corruptos do Departamento de Informática da Polícia Nacional, que adulteram os dados e incluem as informações dos estrangeiros. Os passaportes são entregues aos empresários, que repassam para os destinatários no exterior.

O passo seguinte é comunicar os agentes da Direção Geral de Imigração e da Direção Nacional de Aeronáutica Civil, responsáveis pelo controle de entrada e saída de estrangeiros no país, que eles devem permitir o ingresso ilegal dessas pessoas com nacionalidade paraguaia sem avisar as autoridades. No caso de Ronaldinho, foi enviada uma carta à administração do aeroporto de Luque pedindo celeridade na liberação do ex-jogador a fim de evitar que a aglomeração de curiosos pudesse provocar transtornos aos demais passageiros.

A investigação do MP aponta que, com os passaportes em mãos e já dentro do Paraguai, os investidores estrangeiros abrem empresas de fachada. A suspeita é de que Ronaldinho e seu irmão estariam interessados no ramo dos cassinos. Os dois, inclusive, participariam do lançamento de um cassino no mesmo hotel em que estavam hospedados no último dia 4 quando policiais apreenderam os documentos falsos no quarto de Ronaldinho. Começava ali o calvário do pentacampeão do mundo.