Irresponsabilidade

Ao contrário do que ocorre em outros países, o futebol brasileiro continua em atividade

Mesmo com o surto do corona vírus

15/03/2020 11h36
Por: Fabrício Vieira

Enquanto a maioria dos países da América do Sul suspendeu campeonatos esportivos e fechou portões como medidas contra a pandemia de coronavírus, o Brasil, nação com o maior número de casos no continente, vê campeonatos estaduais continuarem sem que providências incisivas sejam tomadas. O maior exemplo disso foi a realização do jogo entre Flamengo e Portuguesa, que terminou com vitória rubro-negra pelo Campeonato Carioca no início da noite de ontem.

Maurício Gomes de Mattos, um dos vice-presidentes do rubro-negro, teve a presença do coronavírus no organismo confirmada uma semana depois de voar por mais de seis horas com a delegação inteira do clube carioca. Os jogadores foram submetidos a testes, mas os resultados não saíram antes da partida.

Mesmo com os riscos a que todos os envolvidos no jogo foram expostos, a partida foi mantida. Em entrevista coletiva concedida após o triunfo, Jorge Jesus, técnico do Flamengo, disse que perdeu um amigo para o coronavírus e cobrou a suspensão do Carioca. A Federação de Futebol do Rio de Janeiro convocou uma reunião extraordinária para amanhã, e o estadual tende a ser suspenso. Ao menos, a vitória do Flamengo aconteceu com portões fechados, assim como todo o restante das partidas do Carioca. Por outro lado, algumas partidas aconteceram com torcida nas arquibancadas. Foi assim no empate entre Palmeiras e Inter de Limeira pelo Campeonato Paulista.

Assim, a vitória do São Paulo sobre o Santos ocorreu sem público nas arquibancadas. O mesmo acontecerá hoje, quando o Corinthians recebe o Ituano. Vale lembrar que São Paulo e Rio de Janeiro são os estados com o maior número de casos de coronavírus confirmados no Brasil. Ao menos, Flamengo e Globo entraram em um consenso para transmitir o jogo gratuitamente, já que a partida foi disputada sem público nas arquibancadas. Em outros estados, jogos aconteceram normalmente, sem restrição de público. Foi comum ver torcedores usando máscaras nas arquibancadas e evitando contatos físicos, como abraços e apertos de mão. Onde havia espaço suficiente, pessoas tentaram sentar uns longes dos outros.